Miguel Rodrigues "Empa"

22 de Julho, 2020 – 19H00
Casa do Miradouro

Concerto: Jazz
Duração:  50 min. aprox.
Com: Miguel Rodrigues (bateria), José Diogo Martins (piano), Demian Cabaud (contrabaixo).
Tag: Jazz
Duration:  50 min. aprox.
With: Miguel Rodrigues (drums), José Diogo Martins (piano), Demian Cabaud (double bass).

POR
Primeiro vem a poda, depois a empa, acto de colocar uma estaca que serve de suporte a plantas trepadeiras, como as videiras. Mas o que tem este acto a ver com música? Com a música de Miguel Rodrigues, tudo! Este seu primeiro trabalho discográfico lançado em nome próprio surge depois de um percurso rico e de amadurecimento em cujo percurso se encontra com Demian Cabaud e José Diogo. Neste encontro o trio lança-se numa constante de liberdade na criação musical em tempo real, em que é precisamente a improvisação que sustenta a música de Empa. E é aqui que a música, que é também vida a despontar que a cada instante se renova, recomeça e repensa, de facto se materializa, ao mergulhar no risco do jogo com o outro na intensidade do agora.

ENG
First comes pruning, then empa, the act of placing a stake to support climbing plants, such as vines. But what does this act have to do with music? With the music of Miguel Rodrigues, everything! This first record work launched in his own name comes after a rich and maturing journey in which he meets Demian Cabaud and José Diogo. In this meeting, the trio embarked on a constant freedom in musical creation in real time, in which it is precisely improvisation that sustains Empa’s music. And it is here that the music, which is also life that emerges that at every moment is renewed, restarts and rethinks, in fact materializes, by diving into the risk of playing with the other in the intensity of now.

MIGUEL RODRIGUES
É descrito na jazz.pt como “…uma das mais sólidas promessas do jazz nacional”. Miguel Rodrigues nasceu a 1994 em Viseu, onde iniciou os seus estudos musicais.
Concluiu o Curso Profissional de Instrumentista Jazz (nível IV) no Conservatório de Música da Jobra onde estudou com André Fernandes, Carlos Mendes, Demian Cabaud, Jesus Santandreu, Luís Figueiredo, Marcos Cavaleiro, Mário Costa, Paulo Perfeito, entre outros.
Integrou a banda vencedora do concurso de escolas da 11.ª Festa do Jazz do S. Luiz, arrecadou o 2.º lugar no Prémio Jovens Músicos em 2016 e em 2019 ganhou um apoio à criação e à edição discográfica da jazz.pt, no âmbito do open call “Cena Jovem” de onde resulta o seu primeiro disco “Empa” com Demian Cabaud no contrabaixo e José Diogo Martins no piano.
Já teve a oportunidade de tocar com Albert Cirera, António Zambujo, Carlos Bica, Demian Cabaud, Elisa Rodrigues, Jorge Palma, Miguel Araújo, Xosé Miguelez e muitos outros.

DEMIAN CABAUD
Demian Cabaud nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 1977, numa família onde sem músicos. Descobriu-a por sua iniciativa aos 11 anos e não mais a deixou. Mais tarde apaixonou-se pelo som do contrabaixo e começou a estudar com Hernan Merlo, Miguel Angel Villarroel e, nos últimos 10 anos, com Alejandro Erlich Oliva.
Em 2001, mudou-se para Boston, Massachusetts, depois de receber uma bolsa de estudos da Berklee College of Music, onde se graduou em maio de 2003.
Em Boston teve contacto e aprendeu com grandes mestres. Começou a atuar com vários músicos talentosos e uma digressão trouxe-o a Portugal, para onde acabaria de se mudar em 2004. Primeiro para Lisboa e depois para o Porto, onde vive com a sua família.
Demian é um artista muito ativo. Tocou e gravou com músicos como Lee Konitz, Joe Lovano, Chris Cheek, Mark Turner, Bill Mchenry, Rich Perry, Rick Margitza, Seamus Blake, Ohad Talmor, Miguel Zenon, Perico Sanbeat, David Schnitter, Maria Schneider, Kurt Rosenwinkel, Gilad Hekselman, Phil Grenadier, Darren Barret, Russ Johnson, Jason Palmer, Jason Moran, Bill Carrothers, Leão Genovese, Bernardo Sasseti, Albert Sanz, Mário Laginha, Maria João, Maria João, Theo Bleckman, Sheila Jordan, Ra Kalam Bob Moses, Jeff Williams, John Riley, Jorge Rossy, Gerald Cleavert, Francisco Mela, Dan Weiss, Ari Hoenig Ferenc Nemeth, John Hollenbeck, entre muitos outros.
É membro regular da prestigiada Orquestra Jazz de Matosinhos da OJM há 16 anos.
Já tocou em mais de 60 discos e, como líder, lançou “Naranja” TOAP Records em 2008, “Ruínas” TOAP Records em 2010 , “How about you?” TOAP Records em 2011, “En febrero” Fresh Sound New Talent Records 2013, “Off the ground” Robalo records 2016, “Astah” Carimbo Portajazz 2018, “A terra é de quem trabalha” Carimbo Portajazz 2018 e “Aparición” Carimbo Portajazz 2019.

JOSÉ DIOGO MARTINS
José Diogo Martins é natural de Braga e iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga.
Prosseguiu os seus estudos musicais na Universidade do Minho, no curso de música, vertente de piano e, ao mesmo tempo que acaba o 1.º ano da faculdade, é aceite como aluno de piano jazz na Escola Superior de Música de Lisboa onde conclui a licenciatura em 2016.
Participou em vários concursos como o da Academia Santa Cecília (terceiro prémio), Concurso Interno do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (classificando-se em segundo por dois anos) e venceu o segundo prémio no Prémio Jovens Músicos (Categoria Ensemble de Jazz).
Estudou no Rytmisk Musikkonservatoriu, em Copenhaga, na vertente de Mestrado em Performance.
Já colaborou com a Big Band de Estarreja, a Orquestra Jazz do Porto e a Orquestra Jazz de Matosinhos.
Integra o Omniae Ensemble de Pedro Melo Alves (2.ª Edição do prémio de composição Bernardo Sassetti), Symph com Hugo Antunes no contrabaixo e Pedro Melo Alves na bateria e Empa, grupo do baterista Miguel Rodrigues com Demian Cabaud no contrabaixo (2.ª Open Call “Cena Jovem” da jazz.pt).