Spinifex Sings

23 de julho, 2022 – 21H30
Parque Aquilino Ribeiro

ENTRADA
GRATUITA
Concerto: Jazz
Duração:  60 min. aprox.
Com: Tobias Klein (sax alto, direção artística), Jasper Stadhouders (guitarra elétrica), Gonçalo Almeida (baixo elétrico), John Dikeman (sax tenor), Philipp Moser (bateria), Björk Níelsdóttir (voz), Priya Purushothaman (voz)
Tag: Jazz
Duration:  60 min. aprox.
With: Tobias Klein (alto sax, artistic direction), Jasper Stadhouders (electric guitar), Gonçalo Almeida (electric bass), John Dikeman (tenor sax), Philipp Moser (drums), Björk Níelsdóttir (vocals), Priya Purushothaman (vocals)

POR
Em 2022, Spinifex mostram as costas da sua língua com SPINIFEX SINGS. Combinando free jazz, punk-rock polirrítmico e estruturas rigorosamente compostas com poesia tâmil e islandesa antiga e contemporânea, Spinifex Sings aventura-se nos territórios da música, da letra e do grito primordial.
Sedeados em Amsterdão, Spinifex soam à primeira vista como uma combinação de free jazz, punkrock e outras músicas contemporâneas tipicamente ocidentais. No entanto, abaixo da superfície, descobrem-se antigos ritmos cíclicos das culturas musicais turcas e indianas. O baterista e astrofísico Philipp Moser é conhecido pelo seu trabalho com a banda holandesa de metal progressivo Cilice; o guitarrista Jasper Stadhouders define o tom nos metros de Amsterdão e Berlim, ou em tournée com Ken Vandermark’s Made To Break; o baixista português radicado em Roterdão, Gonçalo Almeida, alterna sem esforço entre um som lindamente arredondado e distorção elétrica pesada; o saxofonista tenor John Dikeman foi impressionando o público tocando com seu trio com William Parker e Hamid Drake, assim como com Universal Indians/Joe McPhee; no trompete, o mestre Bart Maris tem sido uma voz singular na música improvisada europeia desde há algumas décadas; o saxofonista alto Tobias Klein, é o motor por trás da banda e também fez o seu nome como clarinetista e compositor; Priya Purushothaman e Laura Polence são vozes musicais únicas – Priya com destaque no género Hindustani Classical Music e Laura no jazz contemporâneo e na música não-ocidental.

ENG
In 2022, Spinifex shows the back of its tongue with SPINIFEX SINGS. Combining free jazz, polyrhythmic punk-rock and rigorously composed structures with ancient and contemporary Tamil and Icelandic poetry, Spinifex Sings ventures into the territories of music, lyrics and primordial scream.
Based in Amsterdam, Spinifex sound at first glance like a combination of free jazz, punkrock, and other typically Western contemporary music. However, below the surface, ancient cyclical rhythms of Turkish and Indian musical cultures are discovered. Drummer and astrophysicist Philipp Moser is known for his work with the Dutch progressive metal band Cilice; guitarist Jasper Stadhouders sets the tone in the Amsterdam and Berlin subways, or on tour with Ken Vandermark’s Made To Break; Rotterdam-based Portuguese bassist Gonçalo Almeida effortlessly alternates between a beautifully rounded sound and heavy electric distortion; tenor saxophonist John Dikeman was wowing the audience playing with his trio with William Parker and Hamid Drake, as well as with Universal Indians/Joe McPhee; on trumpet, master Bart Maris has been a unique voice in European improvised music for several decades now; alto saxophonist Tobias Klein, is the driving force behind the band and has also made his name as a clarinetist and composer; Priya Purushothaman and Laura Polence are unique musical voices – Priya excelling in the Hindustani Classical Music genre and Laura in contemporary jazz and non-Western music.

TOBIAS KLEIN
Klein é saxofonista e diretor artístico do conjunto Spinifex, sediado em Amesterdão.  Atua regularmente com o trio Almeida/Duynhoven/Klein, com o quarteto Dalgoo incluindo os músicos Meinrad Kneer, Lothar Ohlmeier e Christian Marien), em duo com o clarinetista Oguz Büyükberber e com o Bugpowder (um grupo coletivo com Jeroen Kimman, Jasper Stadhouders e Tristan Renfrow).  Tobias Klein compõe tanto para grupos de jazz contemporâneos como para grupos de música de câmara.
Klein trabalhou, entre outros, com Chris Speed, Claudio Puntin, B.C. Manjunath, Ches Smith, Claron McFadden, Jozef Dumoulin, Benoït Delbecq, John Dikeman, Steffen Schorn, Jeb Bishop, Jasper Stadhouders e Oguz Büyükberberber; e actuou em festivais como Moers Festival, AMR (Genebra), Serralves (Porto), Belgrado Jazz Festival, Istanbul Jazz Festival, North Sea Jazz (Roterdão), Frischzelle (Colónia), Grenoble Jazz Festival, SKIF (St. Petersburg), Ankara Jazz Festival, Vilnius Jazz, Mediawave (Hungria) e digressões por toda a Europa, Turquia, Rússia e Índia.

JASPER STADHOUDER
(Tilburg, Países Baixos, 1989) é guitarrista e contrabaixista com sede em Amesterdão e Berlim.  Desde que chegou a Amesterdão, Jasper explodiu na cena musical improvisada internacional. O seu espetáculo musical apresenta uma musicalidade completamente natural. Tem a sensação de que está tão ligado ao seu instrumento que pode tocar o que quer que imagine. A sua capacidade de executar composições difíceis, com um sentido garantido de ritmo e harmonia, combinada com a sua abordagem extremamente física e dinâmica ao improviso, levou-o a ser um dos guitarristas e baixistas elétricos mais procurados do mundo”.
Jasper lidera a PolyBand que fundou em 2015, que consiste num conjunto cada vez maior de músicos e intérpretes em formações e tamanhos variados que se concentram em ciclos polirrítmicos, politonalidade e formas longas em forma de transe. Em 2019, Jasper recebeu uma encomenda do prestigioso festival Gaudeamus Muziekweek (Utrecht, NL) para compor uma obra inteiramente nova para uma versão de 16 peças da PolyBand, que estreará em setembro de 2019.
No Festival Incubate 2015 (Tilburg, NL), durante uma residência de 6 dias, liderou o Jasper Stadhouders’ International Improv Ensemble. Formou também o 5tet Oliver / Stadhouders / Vitols / Rosaly / ‘t Hart, que estreou no Festival DOEK de 2018.
É cofundador da Cactus Truck, Trio Stadhouders / Govaert / De Joode + Delius, Trio Rempis / Stadhouders / Rosaly, Shelter, Bazooka, Practical Music, e toca em bandas como Spinifex, grupos de Ken Vandermark Made To Break, Entr’Acte e Next International, Jaap Blonk’s Retirement Overdue, Bacchanalia, e o k a p i. Em 2014, The Ex convidou Jasper a juntar-se a eles na última digressão da lenda do falecido grande saxofone etíope Getatchew Mekuria em Adis Abeba. Além disso, Jasper trabalhou com as companhias de teatro De Warme Winkel, Nieuw-West e Freek Vielen. Apresentou música contemporânea composta por Steve Reich, Michael Gordon, Barbara Ellison e Genevieve Murphy. Já tocou com Han Bennink, Ab Baars, Paal Nilssen-Love, Marshall Allen, Hamid Drake, C. Spencer Yeh, Akira Sakata, Noel Redding, Andrew D’Angelo, Roy Campbell (R.I.P.), Jeb Bishop, Mars Williams, Priya Purushothaman, Kaja Draksler, Johannes Bauer (R. I.I.P.), The Ex, Fendika, Getatchew Mekuria (R.I.P.), Ingebrigt Håker Flaten, Michael Vatcher, Marc Ducret, Jozef Dumoulin, Magda Mayas, Mette Rasmussen, Nate Wooley, Valerio Tricoli, Tom Rainey, Mark Sanders, Emilio Gordoa, Dirar Kalash, Christian Lillinger, Michiyo Yagi e muitos outros.

GONÇALO ALMEIDA
Nascido em Lisboa, Portugal, em 1978.  Vive em Roterdão, Holanda, onde seguiu estudos no Rotterdams Conservatorium, tendo estudado com Hein van de Geyn, Stefan Lievestro, Marius Beets e Peter Leerdam, terminando o seu mestrado em 2008.
Participa numa variedade de projetos que vão desde o jazz moderno, freejazz, jazzcore e música de improvisação livre, tendo partilhado o palco com improvisadores como Chris Speed, Carlos Zíngaro, Wilbert de Joode, Martin van Duynhoven, Fred Lonberg-Holm, Rodrigo Amado, Tobias Klein, Jasper Stadhouders, entre outros.  Também tem trabalhado em colaboração com vários media, tais como artistas de vídeo, dançarinos modernos, poetas, e criadores teatrais.   Em 2008 criou o trio LAMA no qual é o líder/compositor, tendo feito digressão internacional e trabalhado com convidados, o saxofonista americano Chris Speed e o clarinetista belga Joachim Badenhorst, em dois lançamentos discográficos para a editora Clean Feed Records. Em 2010 criou o trio Jazzcore Albatre, baseado em Roterdão, que combina improvisação, com explosões e ritmos poderosos. Para além dos projetos já mencionados, faz parte dos seguintes (data de lançamento entre parênteses) trio Almeida/Duynhoven/Klein (Clean Feed 2015), Tetterapadequ (Clean Feed 2008, Creative Sources, 2015, For Tune 2016), Bulliphant (Creative Sources 2017).

JOHN DIKEMAN
(2.3.83, Rushville, NE, EUA) é um saxofonista americano que reside atualmente em Amesterdão. É membro ativo de numerosos grupos, incluindo Cactus Truck e Universal Indians.
John é um dos membros mais recentes da Spinifex, um género que desafia o conjunto que combina ritmos intrincados e técnicas composicionais avançadas. Dikeman também colabora regularmente com o produtor Jameszoo.  Dikeman tem atuado como solista para grupos que vão desde Godspeed You! Black Emperor e o Metropole Orkest até Mohamed Mounir e à Orquestra Sinfónica do Cairo.
Desde que se mudou para Amesterdão, John tem sido muito ativo na cena musical improvisada holandesa, tanto como intérprete como curador. John foi selecionado para a tournée Jovem VIP de 2012, que contou com o trio Cactus Truck e convidados em digressão por toda a Holanda. John foi convidado a juntar-se a Stichting Doek como membro artístico principal em 2012. No Outono de 2012, a Cactus Truck completou uma digressão de 37 concertos nos EUA. A sua atuação na Zebulon em Nova Iorque valeu-lhes um lugar na lista de Andrey Henkin dos Melhores Concertos de 2012 para o New York City Jazz Record. Em 2014 John teve a oportunidade de convidar William Parker e Hamid Drake para atuarem com ele no Festival Doek #12. O trio rapidamente evoluiu para um grupo regular que tem feito tournées por toda a Europa e lançado álbuns de grande aclamação crítica.

PHILIPP MOSER
(Dachau/DE, 1980) estudou tambores no Conservatório de Amesterdão com Lucas van Merwijk, Martijn Vink, Bart Fermie e Nitiranjan Biswas. Também estudou percussão latino-americana durante vários meses sobre Cuba.
Philipp fez uma extensa digressão com a banda holandesa de metais matemáticos Cilice, com atuações no Festival Euroblast (Colónia), UK Techfest 2013 (Reino Unido), Festival Fonofest (Letónia), MetalGDL (Portugal), Progpower (Baarlo) en Mayday Rock Festival (Polónia).  Philipp é também membro da Polyband de Jasper Stadhouders.
Além de ser um mestre baterista, Philipp tem também uma licenciatura em astrofísica.

BJÖRK NÍELSDÓTTIR
(Islândia, 1986) é uma cantora versátil em Amesterdão. Licenciou-se no Conservatório de Amesterdão em 2015 com excelência e distinção artística. Artista multifacetada, é ativa nos campos do teatro musical (com uma companhia de ópera experimental Silbersee, Holland Opera, Het Houten Huis), jazz & música improvisada (com Kaja Draksler Octet, Jasper Stadhouders Polyband), música pop (com Björk e Florence and the Machine), música de câmara (como cofundadora do Stirni Ensemble e DÚPLUM), bem como atua regularmente como solista com ensembles de renome (New European Ensemble, Doelen Ensemble a.o.) nos Países Baixos e no estrangeiro. Foi recentemente galardoada com o prémio The Brightest Hope Award 2018 no The Icelandic Music Awards e foi nomeada cantora do ano 2019 no The Icelandic Theater Awards. A música de Björk foi interpretada pelo seu Dúó Dúplum no f.ex Dark Music Days na Islândia, Festival Wonderfeel na Holanda, e na estação de rádio BBC3 em Inglaterra. Björk recebeu também uma bolsa em 2019 dos Serviços de Radiodifusão Islandeses (RÚV) para a sua poesia e composições.

PRIYA PURUSHOTHAMAN
Faz parte da nova vanguarda de jovens e diversos vocalistas hindustãos. É discípula de Vidushi Aditi Kaikini Upadhya e Pandit Sudhindra Bhaumik.  Actuou em toda a Índia e no estrangeiro em locais notáveis, incluindo o Barbican Centre, Londres; Carnegie Hall Neighborhood Concert Series, Nova Iorque; National Centre for Performing Arts, Mumbai; Kalakshetra, Chennai; India International Centre, Delhi; entre outros. Priya é professora e realiza palestras, demonstrações e workshops em conservatórios de música, incluindo Codarts, Roterdão e o Conservatório de Utrecht, na Holanda. Colabora regularmente com artistas como o compositor Osvaldo Golijov, a banda holandesa Spinifex, e a artista eletrónica britânica Actress.

VÍDEO * VIDEO