Que Jazz é Este?
Festival de Jazz de Viseu

POR
O Que Jazz É Este? está de volta, de 21 a 25 de julho em Viseu, a cidade jardim. Cinco dias, oito espaços para a apresentação de dezasseis concertos e ainda uma mão cheia de concertos ao domicílio, um workshop de jazz, conversas, oficinas e vinte horas de rádio num festival que pauta pela diversidade quer nas estéticas e linguagens musicais que integra quer nas diferentes possibilidades de práticas culturais e artísticas e nos espaços que ocupa. Depois da tão arriscada quanto bem sucedida edição do ano passado, o festival volta este ano ao formato de 5 dias consecutivos e intensos, agora com uma maior experiência e conhecimento das dinâmicas que podem tornar possível a realização desta 9.a edição face ao ainda contexto actual de pandemia. Privilegiando a ocupação de jardins e espaços exteriores, é nos incríveis claustros do Museu Nacional Grão Vasco que o contrabaixista e compositor Miguel Ângelo apresenta o seu novo projeto, MAU, com um trabalho político e conceptual que tem inspiração na obra imorredoura de Thomas More. No Parque Aquilino Ribeiro, bem no coração da cidade, passam o trio virtuoso de Edu Miranda num concerto especial com a cantora irreverente Luanda Cozetti, o guitarrista Femi Temowo que partilha a sua música inovadora sob a influência das canções do povo Yoruba e outras sonoridades de origem africana, o colectivo Gira Sol Azul que reune músicos da região de Viseu e Tony Momrelle, um dos músicos da soul mais emocionantes e significativos do palco britânico moderno, e ainda os Carapaus Afrobeat num concerto que reverencia a música africana e promete não deixar ninguém parado. InnerVille, projecto emergente que se move entre HipHopLand, SoulBlock, RnBHill, JazzHeights e FunkPark apresenta-se no âmbito da parceria com o Carmo81 nos jardins da Escola Profissional Mariana Seixas e o jardim da Casa do Miradouro, que é também palco Inatel, acolhe os concertos de ¡Golpe! em parceria com a Robalo Music, Vessel Trio sob o carimbo Porta Jazz e ainda Carlos Peninha Quarteto. A mais emblemática sala de espectáculos da cidade, o Teatro Viriato, acolhe um concerto que promete ficar na memória com Orquestra de Jazz de Espinho e o versátil e brilhante Mário Costa na bateria e composições. A Pousada de Viseu, situada no edifício histórico do antigo hospital da cidade, acolhe Luís Figueiredo num concerto intimista a solo onde a improvisação livre ocupa um lugar de destaque. As rúbricas Jazz na Rua e Jazz ao Domícilio que têm como principal objectivo fazer a música atravessar-se no caminho das pessoas, vêem renovadas as parcerias com escolas profissionais de música da região, contando com apresentações de combos de jovens músicos que vêm contagiar a cidade com a energia do jazz todos os dias do festival. Para além da oferta eclética e de qualidade de concertos, o festival continua a ser um espaço de criação de dinâmicas e oportunidades de formação e profissionalização na área da música. Exemplo disso é a realização do 13.o Workshop de Jazz de Viseu, este ano sob a orientação dos MAU (Miguel Ângelo, Mário Delgado e Mário Costa), que propõem ‘cruzar ideias, inspirações e encontrar respostas difíceis para a longa mas

gratificante aprendizagem do Jazz e da música improvisada’. O concerto de apresentação acontece no jardim do Hotel Grão Vasco. Acontecem também duas oficinas de música (uma em forma de orquestra de guitarras eléctricas outra que explora a ideia de rádio pirata) dirigidas ao público em geral. O Que Jazz É Este? apresenta ainda um ciclo de conversas que visam ser um espaço de partilha e reflexão sobre algumas questões importantes relacionadas com a gestão de carreira dos artistas e a Rádio Rossio, a improvisar desde 2015, este ano a partir da caravana instalada no Parque Aquilino Ribeiro, emite vários programas de autor de autor recheados com entrevistas, música e conversas inesperadas. Promovido pela Gira Sol Azul, o festival Que Jazz É Este? é um festival financiado pelo programa Viseu Cultura do Município de Viseu e conta com vários importantes parceiros e mecenas locais e nacionais que têm contribuído para a afirmação do festival como um projeto de relevo e prestígio na região centro. À distinção de ‘melhor cidade para viver’ e ao título de cidade-jardim, juntam-se características ímpares ao nível da gastronomia, património, roteiros, percursos pedestres e… excelente música para ver, ouvir e fazer parte: motivos não faltam para vir ao festival Que Jazz É Este? de 21 a 25 de julho em Viseu.

ENG
Que Jazz É Este? is back, from July 21st to 25th in Viseu, the garden city. Five days, eight venues for the presentation of sixteen concerts and also a handful of concerts on demand, a jazz workshop, talks, workshops and twenty hours of radio in a festival that stands out for its diversity, both in the musical aesthetics and languages it integrates and in the different possibilities of cultural and artistic practices and spaces it occupies.
After last year’s risky and successful edition, the festival returns this year to its format of 5 consecutive and intense days, now with a greater experience and knowledge of the dynamics that may make possible the realization of this 9th edition in the current pandemic context.
Favouring the occupation of gardens and exterior spaces, it is in the incredible cloisters of the Museu Nacional Grão Vasco that bassist and composer Miguel Ângelo presents his new project, MAU, with a political and conceptual work inspired by Thomas More’s immortal work, originally published in 1516, which needs to be re-read and deepened.
At Aquilino Ribeiro Park, right in the heart of the city, will be welcomed Edu Miranda’s virtuoso trio that will perform a special concert with the irreverent singer Luanda Cozetti, the guitarist Femi Temowo who shares his innovative music under the influence of Yoruba people’s songs and other sounds of African origin, Gira Sol Azul collective that brings together musicians from the Viseu region and Tony Momrelle, one of the most exciting and significant soul musicians of the modern British stage, and also Carapaus Afrobeat in a concert that reveres African music and promises to leave no one standing.
InnerVille, that emerging project that moves between HipHopLand, SoulBlock, RnBHill, JazzHeights and FunkPark presents itself in the scope of the partnership with Carmo81 in the gardens of Escola Profissional Mariana Seixas and the garden of Casa do Miradouro, which is also the Inatel stage, hosts the concerts of
¡Golpe! in partnership with Robalo Music, Vessel Trio under Porta Jazz stamp and also Carlos Peninha Quartet.
The most emblematic concert hall in the city, Teatro Viriato, hosts a concert that promises to stay in memory with Orquestra de Jazz de Espinho and the versatile and brilliant Mário Costa on drums and compositions. The Pousada de Viseu, located in the historical building of the city’s old hospital, hosts Luís Figueiredo in an intimate solo concert where free improvisation takes pride of place.
The Jazz na Rua and Jazz ao Domícilio headings, whose main goal is to make music cross people’s paths, have renewed partnerships with professional music schools in the region, with performances by combos of young musicians that will spread the city with jazz energy every day of the festival.
Besides the eclectic and quality concerts on offer, the festival continues to be a space to create dynamics and opportunities for training and professionalization in the music area. An example of this is the 13th Viseu Jazz Workshop, this year under the guidance of the MAUs, Miguel Ângelo, Mário Delgado and Mário Costa, who propose to ‘cross ideas, inspirations and find difficult answers for the long but rewarding learning of Jazz and
improvised music’. The presentation concert takes place in the garden of the Hotel Grão Vasco. There will also be two music workshops (one that integrates electric guitars and another that explores the idea of pirate radio) aimed at the general public.
Que Jazz É Este? also presents a cycle of conversations that aim to be a space for sharing and reflection on some important issues related to the career management of artists and Rádio Rossio, improvising since 2015, this year from the caravan installed at Aquilino Ribeiro Park, broadcasts several author programs filled with interviews, music and unexpected conversations.
Promoted by Gira Sol Azul, the festival Que Jazz É Este? is a festival funded by the Viseu Cultura program of Município de Viseu and has several important local and national partners and patrons who have contributed to the affirmation of the festival as a project of importance and prestige in the central region.
To the distinction of ‘the best city to live in’ and the title of garden city, we can add gastronomy, heritage, routes, pedestrian walks and … excellent music to see, hear and be a part of: there are plenty of reasons to come to Que Jazz É Este? festival from July 21st to 25th , in Viseu.

Bruno Pinto
Gira Sol Azul